domingo, 27 de novembro de 2011

                                                                              Capítulo       002
                                         (04/11/11)

                                   LADO A LADO
                          Novela de
                                     FELIPE LEIBOLD









                                    Personagens deste capítulo
LUANA                              MÁRCIA                       CARLOS                    BERNARDO
EDUARDO                        VIRGÍNIA                    MARIANA                    MARÍLIA
CAROLINA                        HEITOR                         LAURA                     HUMBERTO
MILTON                            VICTÓRIA                       ROSE                         HENRIQUE
ANA                                     EDGAR               HOMEM MISTERIOSO           SÔNIA
CÁSSIO                                NÁDIA                       REINALDO
 MILTON                           EUSTÁQUIO                   FÁBIO
FÁTIMA                               CELINA                        MÔNICA




CENA 01/ HOTEL/ QTO DE EDUARDO E LUANA/ INTERNO/ NOITE.
Continuação imediata da última cena do capítulo anterior. Eduardo e Carolina olhando para Luana.

LUANA – O que é isso?!

EDUARDO – Foi só um/

LUANA – (corta) Aliás, num me responde não! Eu vi! Num preciso de resposta nenhuma! Eu sabia que vocês ainda tinham alguma coisa!

EDUARDO – Luana, a gente não tem nada. Ela que veio aqui e me beijou!

CAROLINA – Agora vai colocar a culpa em mim, Eduardo?

LUANA – Eu acredito no meu marido! E não faz essa cara de inocente, por que eu sei que você que é a culpada por tudo isso!

CAROLINA – Eu não fiz nada!

LUANA – Fez sim, sua cachorra!

Luana parte pra cima de Carolina. Luana puxa os cabelos dela. Carolina dá um tapa em Luana. As duas caem no chão se batendo, se socando.

EDUARDO – Para com isso!

Eduardo tira Luana de cima de Carolina.

EDUARDO – Carol, você vai pra casa, e Luana, se acalma, deita na cama.

LUANA – Deitar na cama ia ser o que ela faria com você, se eu não tivesse chegado!

CAROLINA – Você é uma louca!

LUANA – Louca é você! Se queria o Eduardo, num se separava!

Carolina sai do quarto, furiosa. Eduardo ajuda Luana a se deitar.
CORTA PARA:


CENA 02/ CASA DE MILTON/ QTO DE ANA/ INTERNO/ NOITE.
Ana deitada em sua cama, pensativa. FLASH-BACK já gravado da cena 39 do capítulo 1.

CÁSSIO – Oi? É que eu divulgando uma competição de bandas que vai ter hoje. Daqui a três horas, já! E minha banda vai tocar lá! Você quer ficar com o folheto?

ANA – Ah, quero sim! Gosto muito de música.

CÁSSIO – (encantado) Que ótimo! Enfim posso contar com você na plateia?

ANA – Provavelmente!

CÁSSIO – Então, tá! Tchau.

ANA – Tchau.

Os dois sorriem e seguem seus caminhos. Ana olha para trás.

ANA – Ei, você! Esqueceu de me dar o folheto!

Cássio volta correndo.

CÁSSIO – (sem graça) Ah, mil desculpas, é muita coisa pra pensar!

ANA – Tudo bem!

Cássio vai embora e Ana também. Fim do FLASH-BACK. CAM volta para rosto de Ana. Ela pega numa mesa, ao lado de sua cama, o folheto que Cássio entregou pra ela. Lá está escrito: ‘Competição de bandas, 23h’. Ana olha para o relógio, que marca 22h 18min.

ANA – Ainda dá tempo de ir.

Ana levanta e sai de seu quarto em silêncio.
CORTA RÁPIDO PARA:


CENA 03/ CASA DE MILTON/ SALA/ INTERNO/ NOITE.
Ana com sua bolsa. Milton está vendo TV no sofá, quase dormindo. Ana silenciosamente abre a porta, e sai de casa. Milton abre o olho, olha para os lados, mas volta a dormir.
CORTA PARA:


CENA 04/ COMPETIÇÃO DE BANDAS/ CAMARIM/ INTERNO/ NOITE.
Adolescentes nervosos esperando Cássio. Cássio chega.

ADOLESCENTE #1 – Cássio, tava demorando!

CÁSSIO – Mal, cara! Eu disse que ia passar no trabalho da minha mãe!

ADOLESCENTE #1 – É, mas disse que ia ser rápido!

CÁSSIO – Cara, relaxa, ainda tem uns 40 minutos! Vamos passar o som.

ADOLESCENTE #2 – Cássio! Me mostra a hora!

CÁSSIO – Ué, aqui!

Cássio mostra seu relógio.

ADOLESCENTE #2 – Agora vira o relógio pra você.

Cássio vira o relógio para ele. Ele se assusta.

CÁSSIO – Ferrou! Eu nem vi a hora passar! Mas olha, a gente ensaiou bastante/

ADOLESCENTE #1 – (corta) Mas não o suficiente! Eu vim aqui pra ganhar essa competição! Não pra ser só mais uma bandinha qualquer!

CÁSSIO – Tranquilo. Vai dar tudo certo, aposto!

ADOLESCENTE – Até por que se não der, você tá fora da banda!

CORTA PARA:


CENA 05/ CASA DE CAROLINA/ SALA/ INTERNO/ NOITE.
Carolina chega a sua casa, sorrindo. Ela deita no sofá. FLASH-BACK já gravado. Carolina beija Eduardo. Fim do FLASH-BACK. CAM volta para Carolina sorrindo muito, deitada.
CORTA PARA:


CENA 06/ CASA DE VIRGÍNIA E REINALDO/ QTO DE FÁBIO/ INTERNO/ NOITE.
Fábio sentado, totalmente parado. Reinaldo entra.

REINALDO – Fábio, sua mãe pediu pra eu falar com você.

FÁBIO – Pai, se veio me encher o saco!

REINALDO – Eu num vim te encher o saco.

FÁBIO – A pedido da minha mãe? Sem encher o saco? Duvido.

REINALDO – O que você tem contra sua mãe?

FÁBIO – Você que tem que perguntar isso pra ela. Só por que estava com uns amigos, e cheguei um pouco tarde/

REINALDO – (corta) Um pouco, Fábio?! Você chegou 4 horas da manhã, e nem disse pra onde foi!

FÁBIO – Ué, eu tava com meus amigos!

REINALDO – Aonde?

FÁBIO – A vida é minha, não sua!

REINALDO – Mas eu sou seu pai.

FÁBIO – Olha, pai, eu adoro você. Mas eu não vou responder nada que a Virgínia mandar você me perguntar.

REINALDO – Ela sua mãe, Fábio.

FÁBIO – Que se dane ela! Eu quero que todos vocês se danem! Agora sai do meu quarto.

REINALDO – Eu não vou sair!

FÁBIO – (gritando) Sai agora!

Reinaldo sai do quarto. Fábio fica pensando.
CORTA PARA:


CENA 07/ RESTAURANTE/ INTERNO/ NOITE.
Mônica chega arrumada ao restaurante. Ela vai até o recepcionista.

MÔNICA – Por favor, a mesa do Bernardo Gomes?

RECEPCIONISTA – A senhora é?

MÔNICA – Meu nome é Mônica, eu sou acompanhante dele, ele estar me esperando.

RECEPCIONISTA – Sim, sim! Mesa sete, por favor, me acompanhe.

O Recepcionista leva Mônica até a mesa sete, onde está Bernardo sentado.

RECEPCIONISTA – Aqui!

MÔNICA – Muito obrigada!

RECEPCIONISTA – Nada.

O recepcionista vai embora. Mônica senta e sorri para Bernardo.

BERNARDO – Você tá linda.

MÔNICA – Obrigada, você também tá charmoso!

BERNARDO – Só charmoso?

MÔNICA – É (ri).

BERNARDO – E aí? Tudo bem?

MÔNICA – Tudo ótimo, sim. Mas e a Laura?

BERNARDO – Ué, eu sai e deixei ela sozinha lá em casa. Nossa filha já tem maturidade pra isso!

MÔNICA – Isso é verdade! (pausa) Aih, eu morrendo de fome.

BERNARDO – (entregando o cardápio) Toma o cardápio, escolhe alguma coisa, eu pago.

MÔNICA – Meu Deus! Que cortesia é essa, Bernardo? Onde você conseguiu dinheiro pra esse jantar?

BERNARDO – Trabalhando, ué! Num é só você que rala! (ri) Mas por falar em jantar...

MÔNICA – O que?

BERNARDO – A minha mãe/

MÔNICA – (corta) Não, num quero papo com sua mãe não!

BERNARDO – Eu juro que dessa vez ela num vai fazer nada!

MÔNICA – Apesar de não acreditar, fala. . .  O que tem a Dona Marília?

BERNARDO – Ela convidou você pra um jantar!

MÔNICA – Mas nem ferrando que eu vou.

BERNARDO – Mônica, você tá falando da minha mãe!

MÔNICA- Eu sei, até por que se não tivesse, eu iria!

BERNARDO – Por que essa implicância toda com ela?

MÔNICA – Implicância? Minha? Implicância dela! A sua mãe me odeia.

BERNARDO – Ela não te odeia Mônica.

CORTA RÁPIDO PARA:


CENA 08/ CASA DE MARÍLIA/ COZINHA/ INTERNO/ NOITE.
MARÍLIA – Odeio, odeio e odeio sim! Eu odeio aquela mulher, Humberto!

Marília lavando pratos e Humberto atrás.

HUMBERTO – Meu amor. . .  Marília! Olha pra mim.
Marília olha para ele.

HUMBERTO – Por que você odeia a Mônica?

MARÍLIA – Por que eu sinto que aquela mulher vai acabar com a vida do nosso filho! Mais do que já acabou gerando aquela menina!

HUMBERTO – Se você odeia tanto ela, por que convidou ela pra esse jantar?

MARÍLIA – Pra humilhar ela tanto, que ela vai ficar com medo de chegar perto do meu filho de novo! Ela vai assinar divórcio, e aí eu me vejo livre daquela vagabunda!

HUMBERTO – Mas provavelmente a filha deles vem pra cá também, você num pretende humilhar a mãe, com a filha do lado, né?

MARÍLIA – Não mesmo, você vai distrair a menina enquanto eu armo o barraco!

HUMBERTO – Marília! Pensa no que você vai fazer!

MARÍLIA – Já pensei até demais!

CORTA PARA:


CENA 09/ RIO DE JANEIRO/ EXTERNO/ NOITE.
Imagens do Rio de Janeiro à noite.
CORTA PARA:


CENA 10/ COMPETIÇÃO DE BANDAS/ PALCO/ INTERNO/ NOITE.
Várias pessoas na plateia, o palco está escuro, o apresentador chega e as luzes se acendem.

APRESENTADOR – Boa noite a todos, e bem vindos as vigésima competição nacional de bandas! Pra abertura, nós temos aqui uma banda que aposto que vai animar vocês! Pode entrar!

A banda de Cássio entra. Eles começam a tocar. De repente, Ana aparece na plateia. Cássio vê e fica paralisado.
CORTA PARA:


                                             1º INTERVALO COMERCIAL

video

CENA 11/ COMPETIÇÃO DE BANDAS/ PALCOS/ INTERNO/ NOITE.
Continuação imediata da cena 10. Cássio continua paralisado. O CANTOR percebe.

CANTOR – (baixo para Cássio) Cássio, teu solo!

Cássio se liga, e começa a solar. Ana fica impressionada.
CORTA PARA:


CENA 12/ CASA DE MILTON/ SALA/ INTERNO/ NOITE.
Milton deitado no sofá, dormindo. Fátima chega e olha para ele. FLASH-BACK da cena 34 do capítulo 1. 

MILTON – Fala logo! O que você tá fazendo aí mexendo nas minhas gavetas?!

FÁTIMA – Eu tava procurando uma coisa/

MILTON – (corta) Tava procurando? Então você perdeu alguma coisa aqui no meu escritório?! Você frequenta esse escritório?! O escritório que ME pertence!

FÁTIMA – Essa casa também é minha, Milton!

MILTON – Num vem com esse papo pra mim não, Fátima! Sai daqui agora.

FÁTIMA – Você é um monstro!

MILTON – (gritando) Sai daqui!

Fátima fica parada.

MILTON – (em direção de Fátima) Se não quer ir por bem. . .  (ele puxa os cabelos de Fátima, que grita) vai por mal!

Milton joga Fátima no chão. Que logo sai correndo do escritório. Fim do FLASH-BACK.  CAM volta pra rosto de Fátima olhando para Milton.

FÁTIMA – Eu ainda te mato, Milton. E vai ser tão bem matado, que você vai desejar viver de novo, só pra ter alguma lembrança do que aconteceu.

Fátima continua olhando pra ele.

CORTA PARA:


CENA 13/ HOTEL/ QTO DE CELINA/ INTERNO/ NOITE.
Celina dormindo. Eustáquio abre a porta devagar, ele entra no quarto.

CELINA – (acorda) Alto lá, Eustáquio! Num vem se engraçando pra mim não!

EUSTÁQUIO – Ah, Celininha! Vem cá!

CELINA – Que ‘vem cá’ o que? Respeito!

EUSTÁQUIO – Vai só um beijinho.

Celina levanta.

CELINA – Tá só um beijinho. Fecha os olhos.

Eustáquio fecha os olhos, Celina dá um soco nele, e ele cai no chão.

CELINA – Isso num é nem metade do que eu vou fazer, se você tentar chegar perto de mim, enquanto eu tiver dormindo de novo!

CORTA PARA:


CENA 14/ COMPETIÇÃO DE BANDAS/ PALCO/ INTERNO/ NOITE.
Apresentador chega ao palco, todas as bandas estão em pés lá.

APRESENTADOR – Bem, então vamos às premiações! Então, júri, a banda número um (aponta para a banda de Cássio) está eliminada, ou não?

Ana fica tensa na plateia. Cássio e sua banda também. Alguns minutos de silêncio, enquanto o júri conversa entre si. Eles anotam algo num papel, e entregam ao apresentador.

APRESENTADOR – Então agora veremos. . .  A banda número um foi (pausa)

Todos da banda, e Ana ficam tensos.

APRESENTADOR – (continuando) Eliminada!

Cássio e a banda se irritam. Ana fica triste.
CORTA RÁPIDO PARA:


CENA 15/ COMPETIÇÃO DE BANDAS/ CAMARIM/ INTERNO/ NOITE.
A banda estressada no camarim.

ADOLSCENTE #1 – A culpa foi toda sua, Cássio! Além de ter chegado depois e não ter deixado a gente passar o som, você ainda parou de tocar no meio da música.

CÁSSIO – Mas eu arrasei no meu solo.

ADOLESCENTE #2 – Solo nenhum justifica em perder!

CÁSSIO – Será que vocês não conseguem uma vez na vida, não pensar só em ganhar?

ADOLESCENTE #2 – Cássio, na vida se você não ganhar você não vai ser nada.

CÁSSIO – Eu num ganho dinheiro, minha mãe pouquíssimo, mas mesmo assim/

ADOLESCENTE #2 – (corta) você é um nada! E como eu sou homem de promessas. Você tá fora da banda.

CÁSSIO – O que, como assim?!

ADOLESCENTE #1 – Vamos galera!

Todos saem. Cássio fica no camarim sozinho, pensativo. Ana chega.

ANA – Pra mim vocês foram os melhores.

Cássio fica surpreso.

CÁSSIO – O que você tá fazendo aqui?

ANA – Eu vim falar pra você que gostei muito da sua banda.

CÁSSIO – Você quer dizer minha ex - banda.

ANA – É, eu ouvi eles falarem que você saiu.

CÁSSIO – Mas pra mim não importa. Eles só pensam em ganhar.

ANA – Mas eles não são os únicos, muita gente só pensa em ganhar. Acho que eu não me apresentei. .  . Ana.

CÁSSIO – Cássio.

Os dois se olham.

CÁSSIO – Seus olhos são lindos.

ANA – (depois de pensar) Você é lindo.

Silêncio por um tempo, até que eles se beijam. Ana para de beijar Cássio.

ANA – (constrangida, nervosa) Olha, desculpa. Eu nem te conheço direito, desculpa mesmo!

Ana sai correndo, ela deixa sua carteira cair. Cássio pega a carteira dela.

CÁSSIO – (gritando) Ei, sua carteira!

Ana já foi embora, então não volta. Cássio pensa com a carteira de Ana em suas mãos.
CORTA PARA:


CENA 16/ RIO DE JANEIRO/ EXTERNO/ DIA.
Imagens do Rio de Janeiro, com sol nascendo.
CORTA PARA:


CENA 18/ COMUNIDADE/ CASA DE NÁDIA E EDGAR/INTERNO/ DIA.
Edgar na mesa bebendo uma água. Nádia chega com sua bolsa.

EDGAR – Que isso, Nádia? Vai pra onde?

NÁDIA – Ué, eu vou pra onde eu sempre vou a essa hora. Trabalhar, Edgar!

EDGAR – Ah tá! Chega tarde hoje?

NÁDIA – Num sei, por quê?

EDGAR – Não, nada. . . Curiosidade.

NÁDIA – Mas eu acho que eu vou chegar tarde sim!

EDGAR – Ah é? Então tá, vai trabalhar lá.

NÁDIA – Tá! Vou indo.

Nádia vai embora. Quando Edgar ouve o barulho da porta bater ele pega seu celular.

EDGAR – Oi, meu amor. Tá liberado! Hoje às sete!

Edgar desliga o celular sorrindo.
CORTA PARA:


CENA 19/ RUA/ EXTERNO/ DIA.
Nádia anda pela rua a caminho do trabalho.
CORTA PARA:


CENA 20/ CASA DE MARIANA/ INTERNO/ DIA.
Nádia abre a porta da casa.

NÁDIA – Dona Rose?

Rose aparece.

ROSE – Oi, Nádia! Eu preciso que você coloque mais um prato na mesa, por que a amiga da Mariana tá aí, e vai comer aqui.

NÁDIA – Tá tudo bem! E a senhora vai sair?

ROSE – Vou sim, num tenho descanso, mas eu volto pro almoço.

NÁDIA – Tudo bem!

ROSE – Então eu vou indo, tchau Nádia.

NÁDIA – Tchau Dona Rose.

Rose sai.
CORTA PARA:


CENA 21/ CASA DE MARIANA/ QTO DE MARIANA/ INTERNO/ DIA.
Laura e Mariana sentadas na cama de Mariana.

LAURA – De novo?

MARIANA – É, de novo, Laura! Eu cansada de ser tratada que nem bebê.

LAURA – MARI olha, só por que sua mãe foi viajar semana passada e deixou você com a empregada aqui, num quer dizer que ela te trata que nem um bebê.

MARIANA – Quer dizer sim! Eu já tenho 13 anos!

LAURA – Mas isso num é quase nada!

MARIANA – (brincando) Falou a mulher velha.

LAURA – Eu tenho a mesma idade que você, mas convivo com muitos adultos!

MARIANA – Tá bom Laura, mas se ela fizer isso uma próxima vez. . .

LAURA – Você vai continuar fazendo o que sempre fez.

MARIANA – Que seria?

LAURA - Num fazer nada! É óbvio que sua mãe vai viajar de novo, a Rose sempre viaja.

MARIANA – Tomara que algum dia ela perceba essa ridiculice, e resolva me deixar sozinha.

LAURA – Mas enfim, vamos falar de outra coisa. Você vai se mudar mesmo?

MARIANA – Vou, mas sabe que eu meio triste e meio feliz?

LAURA – Por quê?

MARIANA – Feliz porque eu POSSO conhecer novas pessoas, e eu gosto muito disso, e triste por que e POSSO também num conhecer!

LAURA – Se bem que você não vai tá longe! Vai continuar aqui no Rio mesmo!

MARIANA – É, mas é bom conhecer novas pessoas.

LAURA – Você gosta tanto disso, que eu acho que você devia entrar naquele site lá/

MARIANA – (corta) Não, não, não! Aquele site não! Vai que alguém tenta me assaltar!

LAURA – (rindo) Para de bobeira menina! Num tem nenhuma informação naquele site, num tem foto, endereço, só o nome, que se você preferir nem precisa colocar o seu mesmo. A idade, e se é menina ou menino. SÓ ISSO!

MARIANA – Eu não vou entrar nisso, Laura. (pensa) Mas assim (pausa) se eu quiser entrar. . . . (animada) como é o nome do site mesmo?

Laura ri.
CORTA RÁPIDO PARA:


CENA 22/ HOTEL/ QTO DE CARLOS/ INTERNO/ DIA.

CARLOS – (falando em voz alto o que digita no computador) ‘WWW.NovasAmizades.COM.BR’.

Carlos clica ‘ENTER’. Aparece a página principal do site.

CARLOS – (clicando em ‘entrar’) ENTRAR!

Carlos olhando o nome das pessoas escrito no site.

CARLOS – (lendo os nomes) @Fátima800. . . .  Odeio o número oito. @RafaG . . . com medo do que possa ser esse G. @André1920. . . .  É esse parece normal.

Ele clica no nome e abre uma conversa.

CARLOS – (falando o que digita) Oi, tudo bem?

Carlos sorri.
CORTA PARA:


CENA 23/ CASA DE VIRGÍNIA/ QTO DE VIRGÍNIA/ INTERNO/ DIA.
Virgínia e Reinaldo dormindo. Virgínia acorda, e sorri.
CORTA RÁPIDO PARA:


CENA 24/ CASA DE VIRGÍNIA/ BANHEIRO/ INTERNO/ DIA.
Virgínia entra no banheiro, ela se olha no espelho.

VIRGÍNIA – Acabo de acordar, e já estou, linda, sensual, gostosa. . .  Aliás, eu SOU linda, sensual, gostosa. . . .  Virgínia, como você é perfeita!

CORTA PARA:


CENA 25/ PORTA DA CASA DE CAROL/ EXTERNO/ DIA.
Carolina sai de casa, ela olha para os dois lados, e coloca a chave debaixo do tapete. De repente, Luana aparece na frente dela, Carolina se assusta.

LUANA – Eu quero falar com você!

As duas se olham tensas.
CORTA PARA:


                                       2º INTERVALO COMERCIAL

CENA 26/ SEU ESTILO/ INTERNO/ DIA.
Virgínia chega à loja Seu Estilo. Heitor está no balcão, e Victória está atendendo uma moça atrás.

VIRGÍNIA – Cheguei antes da cadela ambulante?

HEITOR – Pra falar a verdade, hoje chegou sim! Mas se bem que ela tá atrasada, ela sempre passa aqui as onze, já passaram das onze.

VIRGÍNIA – Mas de qualquer jeito eu sei que ela vai passar aqui, e até isso acontecer, eu vou ficar sentada, esperando.

Virgínia senta em um banco que tem no meio da loja.
CORTA PARA:


CENA 27/ CASA DE CAROLINA/ SALA/ INTERNO/ DIA.
Luana sentada no sofá em frente à Carolina.

CAROLINA – Então, mulher, diz logo! O que você quer falar comigo?

 LUANA – Eu quero mais é fazer um acordo.

CAROLINA – Fala então, qual acordo?

LUANA – Você nunca mais vai poder entrar no hotel!

CAROLINA – Mas e o Carlos?!

LUANA – O seu filho se realmente quiser falar com você, pode vim aqui. Eu só não quero te ver mais perto do Eduardo!

CAROLINA – (sem vontade nenhuma) Tá, tudo bem é só isso?

LUANA – É acho que sim, agora com licença eu vou indo. Ah, mas antes. . . Cuidado com colocar a chave debaixo do tapete, alguém pode entrar.

CAROLINA – E quem disse que eu não quero que alguém entre?

LUANA – Por que você iria querer isso?

CAROLINA – Olha, os motivos pelo qual eu guardo minha chave em baixo do tapete, não lhe cabem saber. Agora com licença também, que eu tenho que ir pra minha loja.

CORTA RÁPIDO PARA:


CENA 28/ RUA/ EXTERNO/ DIA.
Carolina e Luana saem da casa de Carol. Luana vai para o hotel, e Carolina coloca a chave debaixo do tapete novamente. Ela segue seu caminho. Depois de já ter passado pela casa de Milton, Milton sai de casa, e grita para Carolina.

MILTON – (com um sorriso misterioso) Bom dia Carolina!

Carol olha para trás.

CAROLINA – (também com um sorriso suspeito) Bom dia Milton!

Ela vira e mantém o sorriso. Carolina segue seu caminho. Sônia aparece andando na rua. Milton a observa. Ela percebe Milton.

SÔNIA – Bom dia, Milton!

MILTON – (baixo) Pobre é engraçado (ri). Será que eles dão ‘bom dia’ pra todo mundo, com esperança de um dia ter um? (ri mais).

Milton entra em casa.
CORTA PARA:


CENA 29/ SHOPPING/ INTERNO/ DIA.
Carolina chega ao shopping, e vê Virgínia em pé, em frente à loja Seu Estilo. Carol ignora Virgínia.

VIRGÍNIA – Agora a vaca resolveu ir direto pra fazenda, me ignorando?

CAROLINA – Você sabe algum outro xingamento sem ser vaca? Por que não parece.

VIRGÍNIA – Ih, se irritou. . .

CAROLINA – Ô Virgínia, cala sua boca! E vê se respeita os outros.

VIRGÍNIA – Respeitar gentinha como você?

CAROLINA – É! Por que você tirou do nada essa implicância. Literalmente do nada, eu nunca te dei motivos pra isso.

VIRGÍNIA – Claro que deu! Você comprou essa porcaria de loja do lado da minha. Você quase me plagiou.

CAROLINA – O que? Mil pessoas no mundo tem uma loja de roupa, só por que EU resolvo comprar uma você diz que é plágio?

VIRGÍNIA – Você acabou com a minha loja!

CAROLINA – Sinal de que você é uma horrível administradora!

VIRGÍNIA – Como se você fosse ótima!

CAROLINA – Você realmente não tem argumentos pra me odiar.

VIRGÍNIA – Você que não tem educação!

CAROLINA – Eu não tenho?!


VIRGÍNIA – É! Você!

CAROLINA – (depois de uma pausa longa) Quer ser bem tratada? Vai pra índia! Lá vaca é sagrada!

Carolina entra na loja.

VIRGÍNIA – (gritando para Carolina) Depois eu que só conheço o xingamento ‘vaca’! (pausa/ agora fala baixo) Num sabia que na índia vaca era sagrada. . .

CORTA PARA:


CENA 30/ ÍNDIA/ EXTERNO/ DIA.
LETTERING: Na Índia. . .

Homem Misterioso anda pela índia observando todos com uma mala preta. CAM entra em uma casa da Índia, onde há um menino no computador, no site das ‘novas pessoas’.

MENINO – (falando o que digita) Eu sou brasileiro, mas estou viajando para Índia agora.

CORTA RÁPIDO PARA:


CENA 31/ HOTEL/ QTO DE CARLOS/ INTERNO/ DIA.
Carlos no computador de seu quarto, no site de falar com ‘novas pessoas’.

CARLOS – (assustado) Índia?!

Ele começa a digitar.

CARLOS – (falando o que digita) Você sabia que aí as vacas são sagradas?

Ele aperta ‘ENTER’ e ri.
CORTA PARA:


CENA 32/ RODRIGUES/ INTERNO/ TARDE.
Todos na sala de reunião da Rodrigues, Milton em pé na frente.

MILTON – Então está entendido?! Se algum de vocês estragar a festa. . . . Já sabem!

HENRIQUE – Mas, Seu Milton. . .  A gente vai poder comer. . . Beber e essas coisas, né?

MILTON – Mas que falta de educação é essa?! Pedir pro chefe, pra comer e beber! Se eu pudesse eu demitiria todos os idiotas que trabalham nessa empresa. Pena que se eu fizesse isso, só iria sobrar uma pessoa. . . . Eu! (pausa) Mas sim, vocês vão poder comer. . . Beber. . .  Até por que eu não quero ninguém morrendo de fome, vai pegar mal pra mim!

Todos comemoram.

MILTON – Porém, quem encher a cara, aí sim tá ferrado comigo! (pausa) Bem, agora vão terminar o que tem que terminar, e depois vão pra casa, trocar de roupa! (gritando) E sem atrasos na festa, hein!

Todos saem. Milton senta em sua cadeira, pensativo. Ele sorri.
CORTA PARA:


CENA 33/ COMUNIDADE/ CASA DE SÔNIA/ QTO DE CÁSSIO/ INTERNO/ TARDE.
Cássio deitado em sua cama, observando a carteira de Ana. Se ouve em off a voz de Ana vindo já da próxima cena.

ANA – (em off) Posso chamar quem eu quiser?!

CORTA RÁPIDO PARA:


CENA 34/ CASA DE MILTON/ SALA/ INTERNO/ TARDE.
Milton e Ana em pé na sala.

MILTON – (já respondendo a pergunta) Sim, você pode chamar quem você quiser!

ANA – Mas que bom humor é esse pai?

MILTON – É que eu acho que finalmente a empresa Rodrigues vai crescer demais. Mas enfim, voltando ao assunto. Você pode chamar qualquer um, desde que esse alguém venha de roupa formal.

ANA – Pode deixar.

MILTON – Num quero mico na festa. E mais uma coisa.

ANA – O que?

MILTON – Se for pobre. . .  Eu te mato! (pausa) Agora eu vou pro meu escritório resolver umas coisas, e depois me arrumar.

Milton sobe as escadas e Ana deita no sofá. A campainha toca. Ana levanta para atender. Ela abre a porta. É Cássio.

ANA – Cássio?! O que você tá fazendo aqui?

CÁSSIO – Eu só vim pra te entregar a carteira que você esqueceu lá no camarim do show.

ANA – (decepcionada) Ah tá! (Ana pega a carteira)

CÁSSIO – (inseguro) E quanto ao nosso beijo. . .

ANA – (nervosa) Olha me desculpa! Eu num queria fazer aquilo, foi impulso. Eu tava fora de mim.

CÁSSIO – Você num precisa pedir desculpas. (pausa) Eu até que gostei. . .

Ana sorri.

ANA – Mas então, você veio aqui SÓ pra me entregar a carteira?

CÁSSIO – Na verdade. . .  Não!

Ana se anima.

CÁSSIO – Eu vou passar no trabalho da minha mãe aqui no hotel.

ANA – (decepcionada) Ah. . . .  (curiosa) Espera aí. . . No hotel? Sua mãe trabalha no hotel?

CÁSSIO – É, trabalha sim!

ANA – Não vai me dizer que tua mãe é a Sônia?

CÁSSIO – É sim, por quê?

ANA – Meu Deus, sua mãe é um máximo!

CÁSSIO – Ela é bem legal mesmo, ela sempre me dá força nesse negócio de música. Mas o problema é o dinheiro mesmo, mas isso se consegue ao longo do tempo.

ANA – E dinheiro num é tudo.

CÁSSIO – Ah nem vem com esse papo, você tem muito mais dinheiro que eu. (ri)

ANA – Mas a gente num tá aqui pra discutir isso.

CÁSSIO – Exato, eu tava aqui pra te entregar a carteira e como já fiz isso. . .  Vou indo.

ANA – (o chamando de volta) Espera Cássio!

CÁSSIO – O que?

ANA – Você tem alguma coisa pra fazer hoje à noite?

CÁSSIO – Não. . .

ANA – E você tem smoking?

CÁSSIO – Sim, mas precisa lavar.

ANA – Ah, lavar a gente faz rápido!

CÁSSIO – Mas espera, por que você tá me perguntando isso?

Ana sorri.
CORTA PARA:


CENA 35/ RIO DE JANEIRO/ EXTERNO/ NOITE.
Imagens do Rio de Janeiro anoitecendo, com uma música de fundo.
CORTA PARA:


CENA 36/ RODRIGUES/ SALÃO/ INTERNO/ NOITE.
Milton chega. Márcia logo vai falar com ele.

MÁRCIA – Milton, tá tudo pronto tá?

MILTON – Todos já chegaram?

MÁRCIA – Todos, menos o Valter.

MILTON – Até que um, num faz muita diferença! Além do mais sendo um secretário. . Mas cadê o Guilherme e o Henrique?

MÁRCIA – Eles tão arrumando os papéis do contrato com a Inglaterra.

MILTON – Perfeito! E por falar em Inglaterra, nenhum dos Ingleses chegou não, né?

MÁRCIA – Não, nenhum chegou.

MILTON – Então tá, você tá dispensada por enquanto.

MÁRCIA – Ok, obrigada!

Márcia sai. Ana chega com Cássio.

MILTON – (sorrindo) Ah, então é esse seu companheiro?

ANA – É sim!

CÁSSIO – Prazer, Cássio!

MILTON – O prazer é todo SEU.

Cássio ri.

ANA – Ele é filho da faxineira lá do hotel do lado da nossa casa.

MILTON – (furioso) Da faxineira? Da Sônia?

Ana e Cássio se assustam.

MILTON – Aquela pobretona?!

Eles se entreolham.

                                                         FIM DO CAPÍTULO










Nenhum comentário:

Postar um comentário