quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

                                                                         Capítulo       004
                                         (12/11/11)

                                   LADO A LADO
                          Novela de
                                     FELIPE LEIBOLD





                               
                        

                                Personagens deste capítulo
GUILHERME                     VIRGÍNIA                              BERNARDO
CAROLINA               HOMEM MISTERIOSO                   CARLOS
MILTON                              CELINA                                   LAURA
VALTER                           EUSTÁQUIO                             MARINA
OLGA                                   PABLO                                     FÁBIO
RAIMUNDO                      CAMILE                             DOUTOR JORGE
MÁRCIO                           EDUARDO                                 CARLA
HEITOR                              LUANA
VICTÓRIA                        MÁRILIA




CENA 01/ HOSPITAL/ INTERNO/ TARDE.
Carolina em cima de uma maca de hospital toda machucada. Ela está sendo levada rapidamente para uma sala, Guilherme do lado acompanhando tudo. Antes de ele conseguir entrar na sala, um médico o para.

MÉDICO – Aqui, você num pode entrar!

GUILHERME – Mas eu preciso/

MÉDICO – (corta) Aqui você não pode entrar!

O médico entra na sala, e Guilherme fica tenso, parado.

GUILHERME – (baixo/ para si) E se eu tiver matado a mulher?!

CORTA PARA:


CENA 02/ HOSPITAL/ SALA/ INTERNO/ TARDE.
Muitos médicos, cada um fazendo algo. E Carolina no meio, deitada.

MÉDICO #1 – Checa o batimento! Checa o batimento.

Um dos médicos checa o batimento. Após checar olha para os outros com uma cara séria.

MÉDICO #2 – Morreu?

CORTA PARA:


CENA 03/ HOTEL/ QTO DE PABLO/ INTERNO/ TARDE.
Luana entra com Pablo no novo quarto.

LUANA – Bem, esse é o seu quarto!

PABLO – Ótimo!

LUANA – Se sinta a vontade, se organize, e qualquer coisa estou lá embaixo.

Eduardo entra.

LUANA – Ah, esse é o Eduardo meu marido, também dono do hotel.

PABLO – Prazer!

EDUARDO – Prazer. E você é?

PABLO – Meu nome é Pablo, eu vim me hospedar aqui!

EDUARDO – Se hospedar?! Mas que ótimo!

PABLO – Se não se importarem eu pretendo ficar um tempo grande aqui.

EDUARDO – Claro que não nos importamos! (ri) Pelo sotaque vejo que é paulista. . .

PABLO – Sou sim!

EDUARDO – Se não for falta de educação. . . . Posso perguntar por que você veio pro Rio?

PABLO – Claro que pode! Eu vim aqui para conhecer novos lugares sabe? Eu sempre fui fã por foto do Rio! Aqui é bem bonito!

LUANA – Realmente é mesmo!

EDUARDO – Bem, então bem vindo!

Eduardo e Luana saem do quarto. Pablo sorri.
CORTA PARA:


CENA 04/ HOTEL/ QTO DE LUANA E EDUARDO/ INTERNO/ TARDE.
Luana e Eduardo conversando no quarto.

EDUARDO – Finalmente um hóspede!

LUANA – Eu também fiquei surpresa.

EDUARDO – Bom, como ele disse que vai ficar bastante tempo, e nós ainda temos um pouco do dinheiro dos hóspedes anteriores. Vai dá pra aguentar.

LUANA – É, vai dar mesmo! Graças a Deus!

EDUARDO – Agora vou fazer as compras no mercado, afinal, teremos mais um na mesa a partir de hoje!

LUANA – Vai lá, amor.

Eles de beijam. Eduardo sai do quarto.
CORTA PARA:


CENA 05/ HOTEL/ QTO DE CARLOS/ INTERNO/ TARDE.
Carlos digitando no computador no site de ‘novas amizades’.

CARLOS – (para si) Olha, hoje tá cheio de pessoa aqui pra conversar no site.

Eduardo entra, e Carlos fecha rápido o computador.

CARLOS – (assustado) Pai. . .

EDUARDO – Oi, eu só vim avisar que eu vou ao mercado.

CARLOS – Eu ouvi a campainha tocando, chegou alguém?

EDUARDO – Chegou um novo hóspede! Ele parece ser gente boa.

CARLOS – Que bom.

EDUARDO – É! Eu vou lá fazer as compras. Tchau filho!

CARLOS – Tchau!

Eduardo vai embora.

CARLOS – (para si/ baixo) Por pouco!

Carlos abre de novo no site.

CARLOS – Mas agora, vamos ver quem vai ser meu próximo amigo virtual. . .

Carlos sorri.
CORTA PARA:


CENA 06/ CASA DE ROSE/ QTO DE MARIANA/ INTERNO/ TARDE.
Laura e Mariana conversando no quarto.

LAURA – Mas você num tá afim de ninguém?!

MARIANA – Não, ué!

LAURA – Ah, mas tem tanta gente. . .  Ninguém mesmo?

MARIANA – Já disse que ninguém!

LAURA – Menina para se mentir.

MARIANA – Num mentindo. E num fala nada que aposto que você num tá interessada em ninguém.

LAURA – Mas eu num mesmo.

MARIANA – Viu?! Sabia que você ia dizer isso.

LAURA – Mas enfim, quem que você tá afim?

MARIANA – Mas eu num afim de ninguém, já disse!

LAURA – Fala sério. . .  É do Carlos?

MARIAN – Carlos? Quem é esse?

LAURA – Ué, aquele menino da sala do lado.

MARIANA – Ah tá! Eu nunca falei com ele, ele parece muito antipático.

LAURA – Todo mundo diz que ele é legal.

MARIANA – Quem sabe, né? Mas enfim, vamos falar de outra coisa. . .

Mariana e Luana começam a conversar. Atenção áudio é cortado na hora, e substituído por uma música no fundo.
CORTA PARA:


CENA 07/ RIO DE JANEIRO/ EXTERNO/ NOITE.
Imagens do Rio de Janeiro anoitecendo.
CORTA PARA:


CENA 08/ RODRIGUES/ COFRE/ INTERNO/ NOITE.
Milton chega ao cofre em silêncio. Ele olha para os lados com cautela, e sorri.
CORTA PARA:


CENA 09/ CARRO DE MILTON/ INTERNO/ NOITE.
Milton dirigindo seu carro. No banco de trás, muito dinheiro.
CORTA PARA:


CENA 10/ RUA/ EXTERNO/ NOITE.
Milton sai de seu carro com o dinheiro em uma sacola discretamente. Ele vai até a porta da casa de Carol, onde pega a chave de baixo do tapete e entra.
CORTA PARA:


CENA 11/ CASA DE CAROL/ JARDIM/ EXTERNO/ NOITE.
Milton chega ao jardim de Carol com a sacola de dinheiro. Ele vai até um pequeno canto de terra. Ele escava um pouco e coloca o dinheiro. Ele sorri.
CORTA PARA:


CENA 12/ CASA DE VIRGÍNIA E REINALDO/ QTO DE FÁBIO/ INTERNO/ NOITE.
Fábio chega a seu quarto tonto. Ele está com drogas em sua mão. Ele ouve alguém entrando em casa.
CORTA RÁPIDO PARA:


CENA 13/ CASA DE VIRGÍNIA E REINALDO/ SALA/ INTERNO/ NOITE.
Virgínia chega cansada em casa.
CORTA RÁPIDO PARA:


CENA 14/ CASA DE VIRGÍNIA E REINALDO/ QTO DE FÁBIO/ INTERNO/ NOITE.
Fábio, rapidamente, pega uma mochila e guarda as drogas. Ele joga a mochila para o lado. Seu celular toca. 
Ele atende.

FÁBIO – (tonto) Alô?

Atenção: O som é cortado e uma música de suspense substitui. CAM dá zoom na mochila de Fábio.
CORTA PARA:


CENA 15/ CASA DE JORGE E KARLA/ INTERNO/ NOITE.
Karla na sala. Doutor Jorge chega.

JORGE – (surpreso) Amor? Te deram folga?

KARLA – Se ME deram folga, Jorge? (pausa) Eu sou a delegada, eu tiro folga quando eu quiser. E também eu queria ficar um pouco em casa hoje.

JORGE – Entendi. . .

Karla olha para Jorge.

KARLA – Por que você tá assim?

JORGE – ‘Assim’ como, Karla?

KARLA – Preocupado!

JORGE – Eu num preocupado!

KARLA – Num mente pra mim! Eu sou delegada, trabalho com criminosos, eu sei quando alguém tá preocupado.

JORGE – (depois de um pequeno silêncio) Tá, tudo bem. Acertou! Eu tô preocupado sim, com um paciente lá no hospício.

KARLA – Eu num sei por que você foi trabalhar nesse lugar.

JORGE – Eu gosto! E eu sei fazer o que faço lá.

Karla pensa.

KARLA – É o Rafael?

JORGE – É sim, ele tá piorando casa vez mais. Ele parece estar muito bem, mas na verdade tá é muito mal.

Jorge olha para Karla triste.

JORGE – Eu vou tomar um banho.

Jorge vai embora.
CORTA PARA:


CENA 16/ HOSPITAL/ REFEITÓRIO/ INTERNO/ NOITE.
Guilherme no refeitório do hospital. Um médico chega.

MÉDICO – Senhor Guilherme?

GUILHERME – O que foi?

MÉDICO – A mulher que você trouxe com você. . .  A que sofreu o acidente. . .

GUILHERME – O que? O que aconteceu com ela? Ela tá bem?

O médico e Guilherme se encaram.
CORTA PARA:


                                        1º INTERVALO COMERCIAL
video


CENA 17/ HOSPITAL/ REFEITÓRIO/ INTERNO/ NOITE.
Continuação imediata da cena 16.

MÉDICO – Sim, ela tá bem.

Guilherme sorri.

MÉDICO – Amanhã de manhã ela já vai poder sair daqui.

GUILHERME – Obrigado!

Os dois sorriem.
CORTA PARA:


CENA 18/ RIO DE JANEIRO/ EXTERNO/ DIA.
Imagens do Rio de Janeiro amanhecendo.
CORTA PARA:


CENA 19/ SHOPPING/ INTERNO/ DIA.
Virgínia anda pelo shopping. Até que para ao ver um homem de terno preto, parecendo perdido.

VIRGÍNIA – (para si) Meus instintos nunca falham, e aquele homem. . .Num tá me dando uma boa impressão. Aliás, tá me dando uma péssima, e quando eu fico assim, é por que com certeza tem alguma coisa a ver com a vaquinha ambulante.

Virgínia pega o celular e disca.

VIRGÍNIA – Oi, Victória?

VICTÓRIA – (em off) Oi. . . Virgínia!

CORTA RÁPIDO PARA:


CENA 20/ SEU ESTILO/ INTERNO/ DIA.
Victória fala no celular com Virgínia.

VIRGÍNIA – (em off) Eu quero que você faça o seguinte. . .

CORTA RÁPIDO PARA:


CENA 21/ SHOPPING/ INTERNO/ DIA.
Virgínia no telefone.

VIRGÍNIA – (terminando sua frase) Quando eu ligar de novo, você vai fingir um desmaio, e o Heitor vai ir te socorrer de mentirinha. E pra isso, ele irá chamar a Olga, o Raimundo e o Márcio para ajudar você também. Isso deixará a ‘Moda Shopping’ vazia por um tempo e é exatamente o que eu quero. (pausa) Agora, aguarde minha ligação. Caso não ligue, num faça nada.

CORTA PARA:


CENA 22/ SEU ESTILO/ INTERNO/ DIA.
Victória falando com Heitor.

HEITOR – Mas por que ela quer fazer isso?

VICTÓRIA – Parece que ela quer deixar a ‘Moda Shopping’ vazia por um tempo, mas num me pergunte o motivo.

HEITOR – Ai, eu tenho medo do que ela é capaz de fazer. . . Muito medo.

CORTA PARA:


CENA 23/ SHOPPING/ INTERNO/ DIA.
Virgínia se aproxima do homem.

VIRGÍNIA – Desculpe, mas percebi que o senhor está meio perdido. . .Eu conheço bem aqui, será que posso ajudar?

HOMEM – Tenho quase certeza que sim. Eu estava procurando a loja. . . ‘Moda Shopping’.

Virgínia fica séria.

VIRGÍNIA – ‘Moda Shopping’?

HOMEM – Sim, eu quero oferecer um novo patrocínio a ela.

VIRGÍNIA – (nervosa) Ah sim! (pensa) Bem, eu sou super amiga da dona, e ela tá lá agora mesmo. . .No escritório da loja. Eu te acompanho.

HOMEM – Ah, muito obrigado.

VIRGÍNIA – Só me dá licença um segundo?

HOMEM – Claro!

Virgínia pega o celular e disca.

VIRGÍNIA – (baixo) Victória. . . É agora.

Virgínia desliga o celular. E vira sorrindo para o homem.
CORTA PARA:


CENA 24/ SEU ESTILO/ INTERNO/ DIA.
Victória olha para Heitor.

HEITOR – (baixo) Melhor fazer o que a piranha pediu!

Victória finge que desmaia. E Heitor sai correndo.
CORTA RÁPIDO PARA:


CENA 25/ MODA SHOPPING/ INTERNO/ DIA.
Heitor chega na ‘Moda Shopping’. Olga e Raimundo estão atendendo clientes.

HEITOR – Olga, Raimundo, Márcio!

OLGA – O que houve?

HEITOR – A Victória caiu no chão. Ela tá desmaiada. . . Eu acho!

Todos ficam assustados.

MÁRCIO – Olga e Raimundo vão ajudar, eu tenho que ficar aqui!

HEITOR – (preocupado) Não, não, não, Márcio! Você tem que vir também, eu num sei com o que ela tá!

MÁRCIO – Mas nós estamos com clientes na loja, num posso abandonar aqui, assim, de repente!

HEITOR – Vem rápido!

RAIMUNDO – Vamos, Márcio! Pode ter acontecido uma coisa grave!

Márcio, Olga e Raimundo então saem correndo para ‘Seu Estilo’. Os clientes presentes ficam confusos.
CORTA PARA:


CENA 26/ HOTEL/ QTO DE PABLO/ INTERNO/ DIA.
Pablo esvaziando algumas malas e colocando as roupas de dentro em um armário em seu quarto. Ele vê em uma das malas uma caixa prateada. Ele a olha seriamente. Pega a caixa e coloca em cima de uma mesa ao lado da cama.
CORTA PARA:


CENA 27/ RUA/ BECO/ EXTERNO/ DIA.
Camile sai de um táxi. Ela paga o taxista, tira duas malas do carro e anda pela rua. Ela está passando por um beco escuro, quando uma velha a aborta.

VELHA – Não vá pra lá!

CAMILE – Que isso, velha?! Larga de mim!

VELHA – Vá se hospedar em qualquer outro lugar, menos lá!

CAMILE – Você nem sabe aonde eu vou me hospedar. . .Você tá doida? Eu acabei de chegar ao Rio, e já encontro maluco no meio da rua.

VELHA – Já que eu sei que você vai insistir em não me escutar, apenas posso lhe dar um aviso. . . Cuidado com o Lobo!

CAMILE – (achando ridícula a situação) Lobo? Que lobo?

VELHA – (olha com pena para o braço de Camile) Esse seu bracinho. . .

Camile não entende nada.

VELHA – Cuidado com o lobo!

CAMILE – Sai daqui, sua doida!

Camile sai andando. A velha a olha com preocupação.
CORTA PARA:

CENA 28/ HOTEL/ SALA/ INTERNO/ DIA.
Eduardo dormindo no sofá do hotel. A imagem desfoca e. . .
CORTA PARA:


CENA 29/ VÁRIOS AMBIENTES/ INTERNO/ NOITE.
A imagem foca novamente. Em vários ambientes é mostrado o Homem Misterioso com uma mala preta, e roupa também preta andando. Aparece também dinheiro voando, pessoas correndo, uma mão com uma faca. . .
CORTA PARA:


CENA 30/ HOTEL/ SALA/ INTERNO/ DIA.
Eduardo acorda desesperado. A campainha toca. Ele levanta para atender. Quando abre a porta é Camile.

CAMILE – Oi. Eu queria me hospedar aqui.

EDUARDO – (feliz) Ah, mas que ótimo. Nós não estamos com muitos hóspedes esses dias. . . Sempre falo que aqui mora muito mais família do que hóspede.

Eduardo ri.

CAMILE – Mas isso é ótimo! Num lugar com bastante família, o clima deve ser bom. . Todos à vontade. . .

EDUARDO – Isso realmente é um ponto alto daqui. Mas e aí. . . Como você ficou sabendo do hotel?

Pablo desce as escadas e começa a escutar a conversa.

CAMILE – Eu sou mineira, e sempre quis conhecer lugares novos. (Pablo sorri olhando ela falando com Eduardo) Eu nunca tinha ido pro Rio, mas esse ano me deu alguma coisa que resolvi ir. Quando cheguei aqui, eu entrei num taxi e perguntei pro taxista se tinha um hotel aqui perto. Ele me indicou esse!

EDUARDO – Já até sei quem é. . .Amigo meu. Mas realmente, só amigo pra indicar aqui.

CAMILE – Ah, mas isso é fácil. Vocês podem criar um site.

EDUARDO – Eu tava com a ideia de fazer uns folhetos e distribuir pela rua, mas um site também é bom. (pausa) Enfim, bem vinda, eu vou te levar até seu quarto.

Camile acompanha Eduardo. Até que chegam à escada e veem Pablo.

CAMILE – Bom dia!

PABLO – (sorrindo) Bom dia!

Camile segue seu caminho com Eduardo.
CORTA PARA:


CENA 31/ HOTEL/ QTO DE LUANA E EDUARDO/ INTERNO/ DIA.
Eduardo e Luana conversando.

EDUARDO – Mais uma!

LUANA – Parece que daqui a pouco nem vamos mais precisar daqueles folhetos!

EDUARDO – Claro que vamos! Dois não são quase nada.

LUANA – Mas então por que você estava com essa felicidade toda?

EDUARDO – Mesmo sendo mais um de apenas dois hóspedes, ainda é mais um!

Luana para e olha fixa para Eduardo.

LUANA – Você tá feliz com a chegada de mais hóspedes. .  Mas eu sentindo que tem alguma coisinha que ainda tá te preocupando.

EDUARDO – Preocupando? Eu? Que isso, Luana?!

LUANA – Não me engana. Fala logo.

EDUARDO – (depois de uma pausa) Tá! Eu num ia conseguir esconder por muito tempo. . .Você lembra que quando eu me casei com você, eu tinha tipo. . . Umas visões.

LUANA – Lembro. . . Todas aconteciam.

EDUARDO – Eu acho que eu voltei a ter. E dessa vez, é com um homem. . . Um velho. . . Que chega numa noite de chuva. . . Ele tem uma mala. . . Eu também vejo facas, dinheiro voando. . .

Luana fica preocupada.

EDUARDO – Eu com medo, muito medo do que possa vir a ser isso.

CORTA PARA:


CENA 32/ ESPANHA/ EXTERNO/ DIA.
LETTERING: Na Espanha. . .

Homem Misterioso anda pela Espanha com sua mala preta. Ele olha para os lados. E segue andando.
CORTA PARA:


CENA 33/ RIO DE JANEIRO/ EXTERNO/ DIA.
Imagens do Rio de Janeiro ensolarado.
CORTA PARA:


CENA 34/ HOTEL/ INTERNO/ DIA.
Celina e Eustáquio sentados no sofá do hotel.

EUSTÁQUIO – Bem. . . Já que todos estão lá dentro, a gente podia/

CELINA – (corta) Ir pra dentro também!

Celina levanta do sofá e Eustáquio a puxa novamente.

EUSTÁQUIO – Vamos aproveitar esse momento.

CELINA – (pensa) Melhor de noite. . .

EUSTÁQUIO – (feliz) Não acredito! Você finalmente se rendeu a mim!

CELINA – Na verdade, eu sempre quis que existisse algo entre nós.

EUSTÁQUIO – Sério?

CELINA – Sim! (pausa) Um muro pra eu num ter que mais olhar pra essa sua cara feia! (pausa) E por falar em ‘cara feia’ cadê a Sônia com meu cafezinho?! Esse hotel tá virando uma feira!

EUSTÁQUIO – (decepcionado) E aquelas sem nem direito a barraca do beijo.

CORTA PARA:


CENA 35/ SECRETARIA/ INTERNO/ DIA.
Valter pensa na secretaria. Não tem mais ninguém com ele lá.

VALTER – (baixo/para si) Carolina. . . Eu tenho que fazer essa mulher me dar alguma prova. . .O Milton não pode sair ganhando!

CORTA PARA:


CENA 36/ HOSPITAL/ SALA DE ESPERA/ INTERNO/ DIA.
Guilherme na sala de espera do hospital. Carolina chega. Ela vai até Guilherme, que se levanta.

GUILHERME – Me desculpa!

CAROLINA - Você não precisa pedir desculpa.

GUILHERME – Claro que preciso! Eu te atropelei! Você poderia ter morrido.

CAROLINA – Mas eu sei que foi sem querer, e além do mais eu num deveria tá no meio da rua àquela hora.

GUILHERME – De qualquer jeito, aceita minhas desculpas.

CAROLINA – Você já fez tudo possível.

GUILHERME – Na verdade não. Eu vou te levar pra casa.

CAROLINA – Não, não, você num precisa fazer isso!

GUILHERME – Eu insisto! E à aproposito, meu nome é Guilherme.

CAROLINA – Olha. . . Guilherme, eu sei me virar, você não precisa me levar pra casa tá?

GUILHERME – Eu vou te levar sim! E eu vou ficar triste se você num aceitar.

Carolina suspira.

CAROLINA – Tá bom, então.

Os dois sorriem.
CORTA PARA:


CENA 37/ CASA DE MARÍLIA/HALL/ INTERNO/ DIA.
Bernardo entra na casa.

BERNARDO – Oi, mãe.

MARÍLIA – Querido!

BERNARDO – Tá tudo pronto pro jantar com a/

MARÍLIA – (corta) Não ouse falar o nome daquela piranha na minha casa!

BERNARDO – Mãe, ela é minha esposa. Nós já somos casados há bastante tempo!

MARÍLIA – E desde o namoro, eu dizia que aquela mulher não prestava!

BERNARDO – Você sempre preferiu a mulher do meu irmão, né?

MARÍLIA – É claro! Ela é uma mulher de classe! Por causa dela, agora, teu irmão e o filho dele estão em São Paulo. Já essa sua Mônica, nem pra Petrópolis vai te levar.

BERNARDO – Eu vou me arrumar, cansei de ouvir você falando essas barbaridades!

Bernardo sai.

MARÍLIA – (para si/baixo) Por falar em São Paulo, bateu uma vontade do meu filhinho.

CORTA RÁPIDO PARA:


CENA 38/ CASA DE MARÍLIA/ SALA/ INTERNO/ DIA.
Marília sentada no sofá com o telefone na mão.

MARÍLIA – Filho? (pausa) Ah, tá tudo bem aí? (pausa) E meu netinho? (pausa) Então, tá! Mas olha, eu vou cobrar sua visita hein! (pausa) Claro! Beijo, tchau!

Marília desliga o telefone e sorri.
CORTA PARA:


CENA 39/ SEU ESTILO/ INTERNO/ DIA.
Victória caída no chão com olhos fechados – fingindo que está desmaiada –. Raimundo, Olga e Heitor a cercam. Márcio chega com água, e coloca em seu rosto.
CORTA PARA:


CENA 40/ MODA SHOPPING/ INTERNO/ DIA.
Virgínia e o homem chegam na ‘Moda Shopping’.

VIRGÍNIA – O escritório é logo lá em cima!

Virgínia sobe as escadas, com o homem atrás.
CORTA RÁPIDO PARA:


CENA 41/ MODA SHOPPING/ ESCRITÓRIO/ INTERNO/ DIA.
Virgínia chega ao escritório de Carolina. O homem chega atrás.

HOMEM – Ué, mas num tem ninguém.

VIRGÍNIA – Ela já deve tá voltando. Senta aí na cadeira. . Daí a gente espera.

O homem senta na cadeira. Virgínia olha para a ampla janela, depois olha pelo escritório – como se estivesse procurando algo –. Ela vira para uma mesinha, onde tem vários tecidos, e no meio deles, uma corda bem grande.  De costas viradas para o homem, Virgínia pega a corda. Ela vira sua cabeça levemente pra trás. Quando olha que o homem está olhando para o outro lado, ela, por trás do tal, coloca a corda em seu pescoço, o enforcando. Quando percebe que o homem morreu, abre a grande janela, e joga o corpo. Ele cai no meio de várias plantas altas.

VIRGÍNIA – (brincando) Por que você fez isso? Num precisava se enforcar!

Ela ri.

VIRGÍNIA – Patrocínio. . . Só se for pra MINHA loja. (pausa) À noite eu volto pra te esconder direitinho.

Virgínia sorri.

                                                       FIM DO CAPÍTULO














Nenhum comentário:

Postar um comentário